Follow:

Quando o outro lado está “do contra”

Nestes últimos dias tenho tido um desafio informático daqueles. O scroll, em tudo que é programas do meu computador, está com personalidade toddler e só vai para onde ele quer ir. Eu quero ler um artigo, plim, põe tudo para cima. Quero desenhar uma ilustração, plim, desaparece a folha do ecrã. Tem sido um desafio à minha necessidade de controlar o que estou a fazer e, como o estou a fazer, para além de demorar o triplo do tempo a fazer qualquer mini tarefa.

Curiosamente, no meio de tudo isto, comecei a encontrar formas alternativas, nunca antes experimentadas, para conseguir ir trabalhando. O que me lembrou dos malabarismos circenses que faço com o pequeno catita para lhe vestir o pijama quando ele só prime a tecla “NÃO”. Se insisto no “veste” ele retribui com o “não veste”. É um jogo que pode demorar horas, criar muita tensão e minar a nossa relação. O que se passa é que o meu filho está em modo “counterwill” (em tradução livre catita está “do contra”), um conceito desenvolvido pelo Dr. Gordon Neufeld, referente à utilização de um instinto inato de reagir com resistência quando a criança se sente controlada, manipulada ou separada. Sim, mas é só um P-I-J-A-M-A. Para ela não. Para ela é um impasse que disparou o seu alarme de resistência e de auto-preservação. Quando me dizem como devo pensar sinto o mesmo alarme a disparar a altos berros.

Apesar de ser bem desafiante numa série de alturas (acho que está super ativado quando é hora de sair de casa para a escola), é muito útil; protege a criança de indicações de pessoas com quem não tem conexão (fixe quando um estranho qualquer lhe dá ordens com intenções menos positivas), ancorando o papel dos pais como cuidadores e orientadores.

O “do contra” é também importante porque ajuda a definir o “eu” da criança / adolescente como algo distinto do Outro: Estas são as minhas opiniões, os meus gostos, os meus valores, as minhas perspectivas. Vai ser fundamental para o distanciar do que não concorda e do que colide com seus valores base.

“Ah. Pois. Mas eu tenho uma relação cheia de conexão com o meu filho e ele desafia-me até eu ficar em ponto rebuçado.” Sim, a mim também. Há dias em que os enchemos de “tens que”, “devias” sem deixar espaço para os “eu quero” deles. Essa falta de espaço para o seu “eu” se expressar origina uma onda de resistência potenciada pela imaturidade da criança. “Então faço tudo o que ele quer, não?” Nope. O desafio é manter a ligação de cuidador com a criança, enquanto contornamos o impasse da resistência, que não devemos levar de todo a peito. A forma como o guias em plena resistência, sem atropelar o seu “eu”, vai permitir-lhe crescer sabendo como o seu “eu” é mesmo importante.

 

Perante uma grande resistência do teu pequenino, lembra-te de:

Aumentar a conexão, esta é a chave para desbloquear a resistência. Olha-o nos olhos e respira fundo para te manteres sereno.

Ter presente que ele não te está a desafiar só para te chatear, está com o scroll preso algures.

Não usar frases mandonas, nem os “se não fazes não sei o quê, já não vais não sei aonde até teres 18 anos” (consequências só lógicas, fugir das ameaças e das recompensas) só o vão deixar ainda mais resistente.

Dar-lhe espaço para manifestar a sua opinião e ideias. Quando são ouvidos querem ouvir.

Fazer um intervalo se já tiver tudo muito enrolado (podes dizer-lhe que voltas daqui a nada para falarem outra vez sobre o assunto) ajuda a baixar a resistência e, a olhar para a situação com uma nova perspectiva.

Atribuir responsabilidade adequada à idade (vai ajudar a criança a sentir-se útil, vista e no comando da sua vida).

Se correu tudo mal e acabou numa luta ninja de vontades, está tudo bem. Exprime o que sentes, rebobinem e façam restart ao computador. Às vezes é mesmo disso que estamos todos a precisar.

 

Artigo escrito originalmente pela Mãe Catita para a Uptokids

 

 

Share
Previous Post Next Post

You may also like

No Comments

Leave a Reply