Follow:
Browsing Category:

Uncategorized

    AS GRANDES LIÇÕES DO MEU PEQUENO CATITA

    Eu sempre ouvi dizer que ser mãe muda tudo. Sempre achei que era conversa. O que podia mudar assim de tão profundo em nós de um dia para o outro? O que podiam seres tão pequenos ensinar-nos de tão grandioso?
    Logo com o teu primeiro olhar, inesperadamente intenso comecei a aprender. Aprendi logo ali que tinha uma energia inesgotável quando o teu choro chamava por mim, e comecei a desconfiar que tudo o que sabia sobre mim estava prestes a mudar.
    Foi pouco a pouco, dia a dia, ano a ano. Cada cm que crescias, eu aprendia contigo.
    Aprendi a olhar para dentro, antes de olhar para fora. A perceber que muitas das minhas reações não eram minhas mas estavam gravadas na minha cassete interior. Que a voz cá dentro era muitas vezes crítica, e não uma boa amiga. E que para ser gentil contigo, tinha de primeiro ser gentil comigo.
    Compreendi que na pausa está o poder para agir, em vez de reagir. Que as palavras devem passar pelo coração para serem filtradas das ideias pré-concebidas e dos hábitos adquiridos, de forma a não magoarem o teu pequeno coração.
    Vi que na vulnerabilidade dos dois, está o segredo de uma relação próxima e verdadeira. Que para te inspirar a dares o melhor de ti, devo dar o melhor de mim.
    Descobri que o que funciona hoje, amanhã não faz sentido. Que só com curiosidade e presença posso criar uma estrutura flexível que acompanha o teu crescimento. O nosso crescimento.
    Percebi que as verdades absolutas apenas criam lutas de poder. Que existe espaço para cada um ter o seu ponto de vista e comunicá-lo. Que quando nos ouvimos encontramos sempre o caminho do meio. O nosso caminho.
    Entendi que tenho de confiar na tua voz interior, para a conseguires encontrar. Aprendi a ouvir-te, sem tentar resolver os teus problemas. Percebi que quando me contas as coisas mais pequenas, abres caminho para me contares as mais difíceis.
    Compreendi que as feridas que ainda carrego fazem-me saltar a tampa, e com ela salta também a possibilidade de olhar para essa parte de mim que não está em paz. Obrigada por me lembrares que está na hora de as curar.
    Aprendi a ver o errar como a melhor forma de aprender, e não uma razão para desistir.
    Como um “ainda não consigo” e não um “não sou capaz”. Aprendi a dar-me colo, como te dou a ti.
    Entendi que olhas para mim como um exemplo a seguir, e mais do que dizer-te o que tens de fazer, tenho viver nos valores que acredito serem importantes.
    Compreendi que as expectativas que criamos só nos magoam aos dois. Afastam-nos do nosso verdadeiro potencial, e magoam fortemente a nossa autoestima. Aprendi a não esperar, mas a ficar encantada diariamente ao ver a tua vida desenrolar-se para caminhos que nunca imaginei.
    Descobri que mais do que estar certa, é preciso fazer o que o coração sente que é certo.
    E que no meio de dezenas de livros sobre ser mãe, o teu livro de instruções nasceu contigo e que temos uma vida pela frente para o lermos. Juntos.

    Artigo escrito originalmente pela Mãe Catita para a Uptokids
    Share

    O bullying toca a todos

    Se queremos enfrentar alguma coisa, precisamos de saber o que ela é. De a conhecer e de a encarar de frente. De olhar para ela por inteiro.

    O bullying tem várias características próprias, como a repetição do comportamento abusivo, um claro desequilíbrio entre o agressor e a vítima, e uma intenção do agressor em prejudicar a sua vítima. É algo dirigido, e não aleatório. É continuado no tempo e tem uma vítima sem a mesma capacidade de resposta que o agressor, que exerce o seu poder sobre ela.
    O que podemos fazer para tirar poder ao bullying?
    É muito importante cultivar um canal de comunicação com os nossos filhos deste cedo, para que eles sintam que nos podem contar as coisas mais pequenas e as maiores. Que somos um porto seguro, e um dos seus adultos de confiança a quem se podem dirigir sempre que precisarem. Para isso, nota como recebes alguma coisa que o teu filho te vai contar, especialmente quando fez uma asneira. Eu penso sempre na coragem que ele teve em ser verdadeiro comigo, por isso a primeira coisa que lhe digo é sempre “Obrigada por me teres contado”. Funciona como uma pausa interior minha de micro segundos, que me ajuda a alinhar tudo o que vou fazer e dizer à minha intenção como mãe. Ajuda-me a valorizar o facto de ele sentir que pode falar comigo, algo essencial para a nossa relação, e para os desafios que ele vai enfrentar no seu crescimento.
    O bullying não é simples. Tem muitos fios enrolados, muita dor envolvida… Tem muitas pessoas que acabam por ter um papel ativo, sem terem noção disso. Ser espectador também fomenta o bullying, ele existe alimentado pela audiência que tem. Não ser plateia, ajuda a diminuir o seu poder.
    Trabalhar desde cedo a empatia nos nossos filhos é para mim uma das mais poderosas aliadas anti-bullying. Deve estar lá desde sempre. Tal como lhes ensinamos a ler e escrever, deviam aprender a ler emoções, aprender a colocar-se no lugar do outro e a perceber o impacto das suas ações. Aprender a trabalhar o seu lado humano.
    Como o  bullying é silencioso, temos de ter atenção às pistas. No caso da vítima, os sinais de alerta são por exemplo desaparecerem com frequência as suas coisas na escola, aparecerem com marcas ou nódoas negras regularmente, evitarem os recreios, não serem convidados para as festas de aniversário ou terem resistência constante em ir para a escola.
    No caso dos agressores, aparecem com objetos ou dinheiro extra regularmente, são pouco empáticos perante a situação dos colegas, desvalorizam a escola, são desafiadores da autoridade e respondem com uma atitude provocadora. Gozam com a situação das vítimas, nunca aceitam as suas responsabilidades culpando os outros, demonstram agressividade nos jogos e situações de desafio.
    O bullying já não tem limites físicos, com a evolução das redes sociais já salta os portões da escola. Ele acompanha a vítima de uma forma silenciosa mesmo quando ela está em casa. Persegue-a e aumenta em número e impacto a sua audiência.
    Para prevenir o cyberbullying para além de trabalhar a empatia, essencial para perceberem o impacto das suas ações nos outros, devemos mostrar aos nossos filhos como utilizar de uma forma equilibrada as redes sociais. De uma forma humana e consciente. Nas redes sociais, como não vemos a cara, não vemos a reação do outro. Uma sequência de emojis e fotografias retocadas, de cenários fabricados, de vidas “perfeitas” onde a desumanização dá por vezes origem a situações de grave violência psicológica.
    Mesmo que o bullying não aconteça ao teu filho, não é por isso que deve ser ignorado. Ele é como um vírus, espalha-se. Contamina quem o faz, quem dele sofre e quem assiste. Não pode ser trabalhado isoladamente, mas todos devemos intervir, participar, prevenir, denunciar, tomar um papel ativo nas escolas e na vida para que o bullying diminua. O bullying afecta TODA a escola. Por isso, todos temos de ter um papel.
    Tudo está a mudar muito depressa. Perdemos o pé, o foco, ficamos enrolados e não notamos o que se está a passar mesmo à nossa frente. Temos muito tempo para fazer, temos pouco tempo para ser. Os nossos filhos precisam da nossa ajuda para navegarem neste intenso novo mundo. Nós também precisamos de ajuda…
    O bullying precisa de ser resolvido por todos, em conjunto, em comunidade para que nenhuma criança se sinta sozinha, nem nenhum pai.

    Share

    MANDAR O MEDO POR ÁGUA ABAIXO

    Na semana passada o medo invadiu a nossa casa. O pequeno catita tinha medo de fazer cocó e eu tinha medo que ele não fizesse. Depois de uma semana doente, o intestino não estava a funcionar como de costume. Após uma ida à casa de banho mais difícil, o medo instalou-se para ficar.

    Desde aí, por muitas explicações conscientes que desse, por mil e uma dicas médicas e outras tantas mézinhas variadas, nada funcionava. Ele não queria ir à casa de banho. Ponto.

    A cada dia que passava o medo crescia dentro dele. A cada dia que passava, o medo crescia dentro de nós. Eu conseguia sentir como ele estava sempre assustado, como se sentia sempre encurralado, e isso, estava a dar cabo de mim.

    Para nos ajudar neste processo, tentei descobrir mais sobre o medo. Uma das coisas que já sabia, é que deve ser ouvido e respeitado. Mesmo que nos pareça um medo idiota e sem sentido, tal como qualquer emoção, deve ter espaço para existir. É fundamental aceitar o que está a ser vivido do outro lado, ouvir sem tentar mudar nada. Dar tempo para o medo, ao seu ritmo, dar lugar à ação.

    Várias vezes engoli o meu medo. Lembro-me que não tinha espaço para ele. Ficava presa nos olhos cheios de expectativas dos outros e enfrentava o que lá vinha. Mas a força motora não vinha de mim, vinha do outro. Eu não estava a utilizar os meus próprios recursos para lidar com a situação, e esta dependência externa apenas aumenta o nosso medo e o nosso sentimento de incapacidade.

    O medo é uma antecipação negativa de alguma coisa, só o próprio a pode transformar numa antecipação positiva. Só o próprio pode dar o primeiro passo, de dentro para fora.

    Tinha de ser o pequeno catita a decidir que estava preparado e munido dos recursos necessários para enfrentar o que o assustava.

    Muitas pessoas encaram o medo como algo muito negativo, mas ter medo é saudável e natural. Coloca o nosso corpo em alerta para quando temos de dar uma resposta rápida a nível físico e mental. Também existem os outros medos que nos limitam, congelam e aterrorizam. Estes devem ser igualmente respeitados, e devem ser olhados como mensagens ou pedidos de ajuda dos nossos filhos.

    Segundo a Isabelle Filliozat, é importante dar as informações necessárias à criança sobre o que se está a passar. No meu caso, expliquei ao pequeno catita o processo digestivo de uma forma simples e divertida. Mostrei-lhe como funcionavam todos estes “canos” dentro de nós. Também lhe perguntei o que poderíamos fazer para ele se sentir mais seguro na ida à casa de banho. Do que é que ele precisava? Surgiu uma lista de coisas: os vários octonautas na beira da banheira a olhar para ele, a música do Despacito a tocar em loop e um banquinho colorido para ele colocar os pés enquanto estava sentado na sanita. Segundo ele, este era um “plano perfeito”.

    Por vezes, quando confrontado com a iminência de ter de ir à casa de banho a raiva subia-lhe à ponta do nariz. Eu ficava lá, com ele. Presente. O medo e a raiva andam muitas vezes de mão dada. O medo engolido gera raiva. Para transformar o medo, a raiva tem de conseguir vir cá para fora e tem de ter espaço para o fazer.

    Filliozat refere algumas das fases fundamentais nesta viagem através do medo onde devemos respeitar sempre o ritmo dos nossos filhos (e o nosso); Primeiro, é essencial aceitar o medo. O que é, como é, sem tentar mudá-lo. Apenas compreender e receber o medo que o nosso filho tem.

    Depois, ajudar a criança a aceder aos seus recursos internos. Para isso, contei-lhe de outras vezes em que ele tinha ido à casa de banho, uma delas até tinha sido num avião em pleno voo! Juntos tivemos a tentar adivinhar quantas vezes fez cocó desde que nasceu e descobrimos que, na verdade, ele era um grande especialista no assunto. Relembrámos também outras situações em que ele também teve medo, as ferramentas que usou na altura, e como se sentiu orgulhoso no final com a sua conquista.

    Mais tarde, falei de mim. Das coisas que me assustaram e principalmente das vitórias e aprendizagens a que estas deram origem. A nossa experiência com o medo acolhe a deles. Inspira-os e ajuda-os a não se sentirem sozinhos ou tontos com as suas inseguranças. Somos todos iguais. Temos TODOS medo de alguma coisa.

    A regra mais importante? Não devemos insistir. A não ser que seja uma situação de vida ou de morte. E não era. Ele tinha de decidir fazê-lo por ele, e não para me fazer a vontade. Ele tinha de se sentir livre para fazer essa escolha. Aí está o poder. Aí reside a nossa força. Aí o medo que inibe transforma-se no medo que estimula à ação.

    Um dia, estava na sala e comecei a ouvi-lo cantarolar o Despacito. A música vinha da casa de banho. Alguns minutos mais tarde chamou-me. Quando cheguei estava sentado, olhou-me determinado e disse “Mãe quero tentar. Vou confiar em mim e em ti e vou fazer força.” Estava pronto. Era agora.

    Alguns segundos depois, puxávamos o autoclismo em tom de celebração. Se eu tivesse “confetti” tinha feito um pequeno carnaval naquele instante. É muito importante que a criança sinta orgulho na sua vitória de forma a fortalecer e consolidar a sua confiança na vida, e em si mesmo.

    E foi assim… tal como apareceu, o medo do meu pequeno catita desapareceu pelo cano.

    Artigo escrito originalmente pela Mãe Catita para a Uptokids
    Share

    PARABÉNS PEQUENO CATITA!

    Obrigada por 6 anos a acordar cedo, a fazer sopa em loop, a ver desenhos animados pela milésima vez, a acordar esborrachada na cama com um pézinho na cara e a ser tão feliz com isso tudo.

    Share