Follow:

    FRASE CATITA

    Mais do que dizer, mais do que fazer… SENTIR. Estas são as memórias mais poderosas que ficam, e inspiram os nossos filhos a serem humanamente humanos.

    Share

    FRASE CATITA

    No outro dia, no meio de toucas, óculos, chinelos e de uma mãe totalmente embaciada, eu e o pequeno catita falávamos sobre como é difícil, fazer coisas difíceis. Algo que seja fora da nossa zona de conforto.

    Queremos, mas temos medo. Não fazemos ideia para onde aquele primeiro passo nos vai levar. Nunca foi dado, e isso é assustador. Não há mapa, não há segurança, mas também não há limites.

    Será que vou conseguir? Será que sou capaz? Será?

    A meio da conversa, olhou para mim e disse com a sabedoria dos seus 6 anos “Tu dás-me coragem mamã!” e o meu coração, instantaneamente, encheu-se de coragem também.

    Share

    Uma entrevista catita na TSF

    A convite da Rita Costa da Pais e Filhos, a Mãe Catita esteve à conversa na TSF. Falámos sobre autoestima, comportamento, regras, os desafios na nova era digital e muito mais. Até falámos do meu truque especial para os momentos mais desafiantes. E, sabes o melhor? Podes ouvir TUDO no domingo dia 22, depois das 13h na TSF. Até domingo!

    Share

    DIA DO PAI, DIA DE CRIAR MEMÓRIAS FELIZES.

    As memórias felizes criam fios invisíveis que ligam a criança a todos aqueles que são importantes na sua vida. Uma rede que nos une, e que enche continuamente o nosso depósito emocional de amor.

    No Dia do Pai, oferece-lhe um frasco cheio de memórias felizes e juntos relembrem, um a um, todos os instantes que geraram estas recordações. É mais uma oportunidade de criar outra memória feliz, papelinho a papelinho.

    Para teres o teu KIT CATITA, basta salvar a imagem para o teu computador, imprimir e seguir as instruções. Imprime várias vezes para teres todos os papelinhos que precisas. Se tiveres dificuldades em tirar e imprimir a imagem, ou se a quiseres com mais resolução, manda-me um mail para maecatita@gmail.com e envio a imagem para ti.

    VAIS PRECISAR DE

    • Frasco de vidro (reciclar algum lá de casa é sempre uma boa ideia)
    • Tesoura
    • Cola ou fitacola dupla
    • Memórias felizes
    • Impressora

    TOCA A FAZER

    • Clica na imagem e imprime (em caso de dificuldades técnicas manda-me logo um e-mail, eu ajudo).
    • Recorta o rótulo, e cola-o num frasco de vidro.
    • Recorta os papelinhos e preenche-os com os teus pequenos catitas (os que já conseguem escrever podem fazer esta parte sozinhos).
    • Dobra cada um dos papelinhos e coloca-os dentro do teu frasco de memórias catitas.
    • Podes colocar a quantidade de papelinhos-memórias que quiseres.
    • Fecha o frasco e TCHAM! TCHAM! TCHAM TCHAM! Já tens o teu super presente acabado!

    DICAS

    – Para cada filho imprime um rótulo. Com canetas e lápis de cor, deixa-os criarem o seu frasco personalizado para oferecer ao pai!

    – Também podes tornar este frasco um depósito especial onde, enquanto crescem, os teus filhos colocam as suas memórias mais preciosas.

    FELIZ DIA DO PAI!

     

    Share

    FRASE CATITA

    Os nossos filhos sabem como carregar em TODOS os botões que temos cá dentro e que foram, na sua maioria, instalados pelos nossos pais. Enquanto orientamos a geração do futuro, temos a oportunidade única de “re-olhar” para o passado.

    Lê mais sobre emoções peludas AQUI
    Share

    CONTAR A NOSSA HISTÓRIA CONTA MUITO!

    No dia 16, eu e o pai catita fizemos 10 anos de namoro. Para comemorar a data decidimos criar um painel da história da nossa família.

    O pequeno catita, como qualquer outra criança, tem uma grande necessidade em saber de onde veio, o que o ajuda a definir para onde vai.

    Ele delira com as histórias do “quando eu tinha a tua idade…”, com as espatifadelas do mini-pai catita mais-arranhão-menos-arranhão na sua bicicleta, com as aventuras da mini-mãe nas aulas de ciências. Com todos os medos e desafios que cada um enfrentou, tão semelhantes aos que agora ele está a viver.

    “No meu tempo não havia televisão. Tu tens é muita sorte!” não conta como história construtiva e inspiradora. Só os pormenores, as personagens tão conhecidas, os problemas, aprendizagens e as emoções experienciadas constroem a riqueza e profundidade da mensagem.

    Contar histórias de família tem inúmeros benefícios. Ajudam as crianças a fazerem relatos mais ricos e pormenorizados do seu dia a dia, a compreenderem e identificarem os pensamentos e as emoções do outro lado, favorecem o crescimento de uma autoestima saudável, e de uma noção mais forte do seu “eu”. As suas identidades ficam mais definidas, resultando numa maior resiliência e capacidade de lidar com os desafios da vida.

    Estas histórias criam fios invisíveis que ligam a criança a todos aqueles que são importantes na sua vida, criando uma rede robusta onde a criança se sente amparada e protegida.

    O painel chegou a semana passada, e o pequeno catita não conseguia tirar os olhos dele. De certa forma lembrou-me o poder hipnotizante das pinturas rupestres, ou dos hieróglifos do Egito. Desde sempre que os seres humanos se juntam para passar histórias de geração em geração. A nossa estava impressa em PVC, e era mais na onda da banda desenhada, mas o poder da história era claramente visível nos seus pequenos olhos fascinados.

    “Ó Mãe e aqui? Foi onde conheceste o pai?” Apontava entusiasmado com o seu dedinho para o desenho do primeiro encontro.

    Contámos várias vezes cada episódio. VÁRIAS, várias vezes…

    No pedido em casamento no Japão, ele descobriu que a mãe tem dificuldade em responder rapidamente a perguntas difíceis, daquelas que podem mudar a vida de uma pessoa. Desde aí, responde “vou pensar um bocadinho” antes de responder a perguntas que ele acha que merecem o seu tempo.

    Descobriu que a mesma música que ainda hoje cantamos para ele, era a música que o embalava ainda estava ele na minha barriga, o genérico do “Conan, o rapaz do futuro” (o pai catita tem uma “ligeiríssima” adoração pelo Japão).

    Apercebeu-se que gostar de uma pessoa é crescer com ela, e isso leva tempo, como todas as coisas que valem mesmo a pena.

    E descobriu que a vida dele é uma enorme tela, onde vão nascer muitas memórias maravilhosas que um dia ele também vai contar a alguém, muitas e MUITAS vezes.

     

    Artigo escrito originalmente pela Mãe Catita para a Uptokids
    
    Ler também:
    OS NEURÓNIOS SÃO UNS MACAQUINHOS DE IMITAÇÃO
    Share