Follow:
Browsing Category:

Mindfulness

    Como resolver um problema

    Einstein percebeu que quando tentamos resolver um problema envoltos na mesma situação que o criou, temos uma visão muito limitada das possíveis soluções.
    Da mesma forma, quando tentamos alterar uma dinâmica familiar envolvidos nela, apenas usamos as respostas ou reações habituais, o que só aumenta a intensidade emocional da situação e o bloqueio.

    Para encontrar novas soluções catitas:
    – Olha para a situação com curiosidade como se fosse pela primeira vez.
    – Procura um ângulo diferente para observar a situação. Como a veria a pessoa mais gentil do mundo? E a mais paciente? A mais inteligente? A com mais sentido de humor? E a com mais amor?
    – Cuida de ti. Se tiveres bem, consegues estar totalmente presente e encontrar respostas criativas.

    Agora já que tens uma visão mais alargada do que podes fazer, percebes que há inúmeras soluções para o mesmo problema. Em vez de te sentires pres@, notas que a situação ganha uma nova dimensão mais flexível. Já não é preciso ser nenhum Einstein para encontrar o que precisas 🙂

    Share

    Novo Ano, nova perspetiva.

    Quando temos uma ideia fechada de uma situação, ou de uma pessoa, tudo o que acontece é filtrado inconscientemente por nós para fortalecer essa ideia que já temos.
    Ao mesmo tempo, algo curioso acontece, a carga emocional existente vai acumulando de dia para dia.
    Cada vez que vejo o quarto do meu filho desarrumado, em vez de ser uma experiência nova com uma carga emocional correspondente apenas à situação presente, vou buscar TODOS os outros dias que isso aconteceu. E com o bónus de acrescentar situações similares que me deixaram em ponto rebuçado e que também são activadas interiormente.
    Desse ponto, a mudança é muito difícil. Desse ponto, só conseguimos atacar, e o outro lado só consegue defender-se. O ciclo repete-se sem crescimento, sem aprendizagem, e sem evolução.

    O primeiro passo para a mudança, é mudar a nossa perspectiva. Mudar a forma como olhamos para a situação, e principalmente para a criança.
    Pára e conscientemente pensa, que rótulos costumo usar para definir o meu filho? Distraído? Preguiçoso? Desorganizado? Teimoso? Eléctrico?

    Neste novo ano, aproveita para olhar para as coisas como se fosse a primeira vez.
    Faz uma limpeza de ano novo, deita os rótulos fora, as ideias poeirentas para a reciclagem, e olha para tudo de uma forma mais catita.
    Feliz Ano verdadeiramente Novo!

    Para aprenderes mais ferramentas catitas, já tens disponíveis os workshops de 2020 da Mãe Catita.

    Share

    ACEITAR

    Aceitar. Quando aceitamos onde a criança está em determinado momento, e não onde deveria estar. Quando aceitamos, sem comparar com onde as outras estão, damos início a um enorme processo de conexão e mudança. Primeiro em nós… e depois neles.
    Todos temos tempos diferentes, velocidades diferentes, e caminhos diferentes. Como pais, estamos lá para mostrar que vemos o melhor neles, principalmente quando eles não conseguem fazê-lo.
    Estamos lá para refletir o amor que eles têm dificuldade em sentir, quando têm dias difíceis.
    Estamos lá para os lembrar que independentemente da parte do caminho onde se encontram, encontram-nos sempre, a caminhar a seu lado. Estamos lá, exactamente onde eles estão.❤️

    Share

    REGRESSO ÀS AULAS

    Estamos de regresso à rotina. Aos empregos, à escola, ao corre para cá, e ao corre para lá.
    Numa velocidade acelerada, desligamo-nos, sem notar, dos pequenos e poderosos momentos. Passam invisíveis, tão focados que estamos em responder aos GRANDES que enchem a nossa agenda.
    Sabes, a magia e as recordações estão exactamente nesses pequenos espaços, onde crescem possibilidades únicas de conexão com os nossos filhos. E connosco.

    O que mais me encheu o coração quando era pequena, foram as mangueiradas refrescantes, os gelados que colavam os dedos nos dias quentes, o apoio naquele trabalho de casa difícil, a conversa que precisava de ter no regresso de um dia duro de aulas, e aquele abraço quando menos merecia e mais precisava. E a ti?

    O que te desejo neste regresso, é que tenhas pequenos gigantes momentos com a tua família que fiquem para sempre no coração de todos. ❤️

    Share

    Mind full ou Mindfulness

    COMO ESTÁ O TEU MUNDO INTERIOR?

    Tens a cabeça cheia de passado e futuro? Uma mind full de tudo e mais alguma coisa, a precisar urgentemente de uma intervenção Kondo? Ou estás presente num estado de mindfulness, sem explodires a cada desafio externo?

    Vários autores apoiam que o mundo exterior, é apenas um reflexo do nosso mundo interior (música inspiradora de fundo).

    Isso é muito bonito, mas quando chegamos a casa exaustos, temos pouco tempo para nós, e ainda menos tempo de qualidade para os outros. O mundo parece exigir cada vez mais de nós, e ainda temos de ter tempo para arrumar o nosso interior? Como posso estar zen enquanto piso descalço mais uma peça de lego?

    Hum… Será que a nossa energia e atenção estão a ir para o sítio certo? Será que mudar a nossa perspectiva, muda a nossa capacidade de resposta?
    Cultivar o equilíbrio interno, cultiva o equilíbrio externo. Em vez de gastarmos toda a nossa energia em tentar controlar o mundo que nos rodeia, podemos utilizar essa energia de uma forma criativa para ganhar o controle do nosso mundo interno.
    Só com o nosso comando interno na mão, podemos escolher conscientemente a nossa resposta aos desafios da vida. Só com o nosso comando interno na mão, podemos usar eficientemente a nossa energia.

    OS PAIS E OS TELECOMANDOS

    Como pais, damos inconscientemente o nosso comando aos nossos filhos. A metáfora da vida, replica a metáfora interna.
    Eles dominam os canais de televisão, e na maioria dos casos têm na mão o nosso comando interno, cheiiinho de botões. E as crianças adoram… botões.
    Quando eles carregam em vários ao mesmo tempo, a nossa tampa salta. Desse estado já-estou-passado, só somos capazes de reagir a quente. Temos uma reacção explosiva, e 5 minutos depois já estamos invadidos de culpa.

    “Não era nada disto que eu queria dizer/fazer!” normalmente é qualquer coisa que prometemos NUNCA fazer quando tivéssemos filhos. É um clássico universal. Deixa lá.
    As crianças aprendem pelo nosso exemplo. Se respondo de uma forma presente e calma, os neurónios espelho do outro lado replicam esse estado. Se eu me passo… Podes imaginar.
    Agora, imagina só a mudança poderosa que vai acontecer no teu mundo exterior, quando recuperares o teu comando interno.

    Share